28.8.10

Centopéia humana



Há tempos que eu tinha uma enorme curiosidade de saber quanto pares de sapato que eu tenho. Aqui em casa tem sapato em tudo quanto é canto, tem sapateira que não cabe nem mais uma rasteirinha, tem sapato no armário e nas gavetas (até o armário da minha mãe eu invadi), tem caixas com sapatos por falta de espaço... eu sou um pouquinho shoeholic, e ontem peguei a tarde inteira, tirei todos os meus sapatos dos seus respectivos lugares, e fui colocando no quintal, o resultado, foi esse da foto, e a contagem, exatos 50 pares! Na foto não estão todos, chegou uma hora que ficou cansativo e difícil de colocar mais sapatos nesse espaço limitado.


Mas no fim, descobri que a situação está menos drástica do que eu imaginei, achei que teria muito mais do que 50 pares, e isso significa que: posso comprar mais alguns pares sem peso na consciência! =]

25.8.10

Finalmente!!!

Demorou! Depois, demorou mais um pouco, e como se não bastasse, depois vaio mais demora, mas finalmente chegou o prêmio, que foi prometido a mais de 3 meses, quando eu ganhei o 2º lugar no concurso universitario de fotografia da revista Fotografe da editora Europa com parceria da Sony.

Com essa foto que ganhei o segundo lugar.

Essa são as outras duas fotos que eu mandei...


Foram 1047 inscrições, cada universitário poderia enviar 3 fotos, todas passaram por uma comissão julgadora, e no fim, 3 fotos foram escolhidas como vencedoras e 7 receberam menção honrosa.



Tivemos um coquetel para a entrega dos prêmios (que na verdade não eram os nossos prêmios mesmo, eram emprestados, os nossos só chegaram agora) e na noite da premiação, que aconteceu na livraria Cultura do Shopping Bourbon, também teve uma palestra do fotografo Anderson Schneider, mostrando um pouco do seu trabalho (maravilhoso trabalho!).


Os meus prêmios foram: Camera Sony A330, flah, sapata de sincronismo, bolsa (que ainda não chegou) e assinatura de 6 meses da revista.

E ai está ela, linda! =]

E logo logo, deve acontecer mais um concurso...vale a pena tentar né?!

22.8.10

Pão de Queijo Mineiro

Essa receita eu aprendi com a caseira de uma fazenda lá de Santo Antônio do Monte, cidadezinha fofa de Minas Gerais. Eu AMO pão de queijo, mas assim, não esses congelados... ou de super mercado que quase não tem queijo, e por isso que eu sou louca nessa receita, vai meio kg de queijo Araxá!!!
Mas assim, vou colocar meia receita, que dá muita coisa, mesmo!


Ingredientes:

  • 500g de polvilho azedo
  • 2 copos de leite
  • 1 col. de sobremesa de sal
  • 250g de queijo araxá
  • meio copo de óleo
  • 2 ovos
  • 1 col. de sobremesa de fermento em pó

    Rale o queijo. Ferva o leite com o óleo e o sal. Despeje essa mistura no polvilho azedo dentro de uma vasilha grande, junte o queijo araxá ralado e misture bem com uma colher de pau. Espere esfriar, coloque os ovos e misture com as mãos, perceba se a massa está grudenta de mais, se estiver, você pode colocar aos poucos, amido de milho (se não tiver mais polvilho, como aconteceu comigo da ultima vez). Coloque o fermento e misture mais um pouco. Pré aqueça o forno (médio).
    Ai é o seguinte, você pode fazer de duas formas. Ou você coloca na geladeira e espera um bocado, pra daí fazer as bolinhas quando a massa estiver mais  fácil de se mexer, ou, se você estiver morrendo de vontade de assar logo, pra poder experimentar seus pãezinhos, você pode fazer com duas colheres as bolinhas, que não precisam ser perfeitas, elas meio que se "ajeitam" quando vão ao forno.
    Não precisa untar a forma, só deixe um espaço de pelo menos 3cm entre cada pão de queijo.
    Aumente o forno para alto, e asse por mais ou menos 20 min ou até que estejam corados.

    Ps: Também fiz alguns no forninho elétrico, ficaram lindos!!! Mais que os do forno convencional...
    Ps2: Também dá pra congelar tanto a massa inteira como as bolinhas.


    18.8.10

    O chiado da agulha



    De todas as minhas postagens, essa é sem sombra de dúvida, a que tem mais história e nostalgia: o toca discos e a coleção de bolachões!
    Mas não vou me prolongar muito...



    Coleção Pink Floyd
    Rolling Stones
    Parte da coleção Dylan
    Há tempos não colocava ele pra tocar, hoje resolvi matar a saudades do chiado da agulha e descobri que as caixas estavam desconectadas, o quadrifônico tava louco e o amplificador com mal contato. Resolvi consertar. Entre alicates, emaranhado de fios que parecia uma macarronada  e botões que saiam na minha mão, levei um tempo, mas consegui! Coloquei um vinil pra testar, peguei qualquer um sem ver, veio Pink Floyd e com ele, músicas que meu pai tocava na minha infância, e agora que eu to maiorzinha, músicas que nós tocamos juntos em noites infinitas, sempre uma festa!

    Bom, vi que funcionava, tinha um chiado a mais, mas logo resolvi apertando botão ali e aqui. Acabou o vinil, troquei por Rolling Stones, Exile On Main St, meu preferido, Ah! esse disco, traz a lembrança de danças na sala com minha mãe, a gente se diverte tanto... esse, também gosto de tocar com meu pai, mas ele prefere o Let It Bleed.

    Enfim, são coleções e mais coleções de bolachões comprados no lançamento, importados, nacionais, garimpados em sebos. Essas que eu coloquei, são uma minoria que eu achei relevante colocar (não que as outras não mereçam serem mostradas) mas além desses, são muitos discos do Dire Straits, Beatles, B.B.King, além dos meus, que eu achei em sebos ou ganhei de amigos, como Metallica, Aerosmith, Guns, etc, etc, etc. E ainda tem alguns emprestados com minha irmã, como um duplo da Billie Holiday, ou o Nashville Skyline, uma das obras primas mais lindas do Bob Dylan. 
    E todos eles podem não ter um valor real muito alto, mas um valor sentimental avaliado em milhões.
    E eu sei, que cada integrante dessa minha família, tem uma historia pra contar, de amor com esses vinis.




































    17.8.10

    Faça você mesma!






    Há alguns anos atrás, eu queria muito comprar um saia plissada xadrez e vermelha. Procurei em várias lojas e não era a coisa mais fácil de se encontrar, e quando eu achava, ou era cara ou não era exatamente o que eu queria. Ai, um dia em casa, achei um tecido vermelho xadrez exatamente como eu queria que fosse minha saia, fui mostrar pra minha mãe e ela me convenceu a tentar fazer a saia, eu mesma. Ela, que aprendeu a costurar sozinha, me deu uns toques, eu já tinha uma noção, sempre consertei minhas próprias roupas, mas nunca tinha feito uma assim, do zero. 



     

    Aproveitei então a oportunidade de ter em casa o tecido e a maquina de costura e me arrisquei em meio a plissados e alinhavos. Deu trabalho, mas o resultado de se ter uma roupa nova sem gastar nada com isso, é gratificante! E apesar da saia ter dado trabalho, existem mil outras peças que são muito mais fáceis de se fazer, e pra aprender como se faz, google existe!








    E foi pensando nisso que comecei a escrever esse post. Poxa, que atire a primeira pedra quem nunca pensou "tanto dinheiro por esse pedaço de pano? Eu mesma poderia fazer isso". E eu não vou negar que em muitas ocasiões, me deu preguiça e por conta disso, deixei pra depois, tenho um saco imenso de roupas a serem reformadas, customizadas, etc... mas como forma de incentivo, este post está aqui pra eu me lembrar de colocar as mãos na maquina e me presentear com novas roupas, e pra qualquer um, que como eu, vive pensando que é um absurdo pagar tão caro por coisas simples de se fazer.








    Billie pra nostalgiar.

    video
    Billie Holiday - I'll be seeing you


    O frio me faz feliz, não sei o que acontece, mas acordo com uma nostalgia boa, de outros invernos, as vezes de filmes antigos, cafeterias elegantes e caminhar na Av. Paulista, acho que pelo frio ser tão monocromático  e menos abusivo que o sol do verão, com todas suas cores e bronzeados.
    O dia de hoje se inaugurou com um céu de Brigadeiro e um sol gelado, mas um dia tão bonito que me fez ficar um bom tempo admirando as roupas brancas dançando com o vento no varal, enquanto a agua do café borbulhava no fogão. Lembrei disso e parei com as roupas, antes de secar a fervura. Enquanto o cheiro de café se espalhava pela casa, lavei a louça. Com meu café, comi torradinhas com patê de gorgonzola e queijo araxá. Tempo depois, fui ao mercado com minha mãe, a pé. Voltamos com os dedos doendo de sacolas pesadas, mas quem liga?
    A fome apertava... o frio também, e pra resolver os dois problemas, nada melhor do que cozinhar. Abri uma Heineken, piquei cebola, alho, comecei a refoga-los e o melhor cheiro do mundo foi se espalhando pela cozinha. Arroz ficou branquinho, soltinho... pra  acompanhar um arroz perfeito, steak de frango no forno (pra aquecer os joelhos), creme de milho e saladinha.
    O dia se passou entre cafés e cigarros, e logo começou a tocar a campainha; morar perto da faculdade, te traz convidados! A aula, me fez lembrar do começo do dia, daquela nostalgia. Foi uma serie de trechos de filmes clássicos, com aquele ritmo lento e fotografia impecável. Entre Ladrões de Bicicleta e Cidadão Kane, mais um café caiu bem, com biscoitinhos de polvilho (mais uma vantagem de se morar perto da faculdade). Voltei da facul batendo dentes, com dor nos ossos, com uma única intenção: me enrolar nas cobertas com 2 gatos esquentando meus pés, colocar Woody Allen no dvd, e dormir 10 horas ininterruptas.
    Mas, parar e dar uma checada na internet, é sempre inevitável, e  eis que quando eu menos esperava, fui presenteada com a melhor parte do meu dia frio, Billie Holiday, que uma amiga querida postou o vídeo no Facebook, e me lembrou que também faz parte da minha história de nostalgias, noites que, se frio fazia, nem me lembro mais, mas no fim desse dia de hoje, acho que era só isso que eu estava tentando dizer pra explicar que o frio me faz feliz, a felicidade de se misturar Billie com vinho, lembrar velhas amizades e aproveitar os últimos minutos antes do sono me encurralar.

    13.8.10

    Zona Cerealista e Mercado Municipal

    Eu não sei nem por onde começar esse post, afinal, ontem foram horas e horas fazendo compras e passeando pelo mercadão e a zona cerealista, 144 fotos, e um rombo na fatura do cartão de credito. Mas, programa divertidíssimo!!!

    Logo que chegamos no mercadão.
    Bom, na quarta, estava eu, a Jô (minha irmã) e o Sonega, amigão nosso, no barzin aqui na esquina de casa, e conversa vai conversa vem, contei que eu nunca tinha ido ao mercadão, praticamente uma heresia pra alguém que mora em São Paulo a vida toda, então, abismados com isso, logo marcaram o programa de quinta feira.


    Nos encontramos ontem cedinho, com um dia lindo de presente, e fomos pro centro, em meio ao transito maluco de São Paulo, conseguimos por sorte estacionar em frente a lojinha preferida da zona cerealista, a Casa Flora, lugar incrível com prateleiras recheadas de nozes, castanhas, queijos, bebidas e outras mil coisas. E foi esse o primeiro susto no cartão de crédito. Saímos de lá com umas 10 garrafas de vinho, que estavam com 30% de desconto, 6 delas, quem comprou foi o Sonega, hahaha. Além de um parmesão incrível argentino e bem baratinho (R$21 o kg). Também trouxe de lá amêndoas, nozes e castanha de caju, meio kg de cada, mas que super valem a pena pelo preço (entre 11 e 15 reais meio kg). Pra quem não sabe, a zona cerealista fica pertinho do mercadão, mas com preços bem mais baixos. Depois da casa flora, demos mais umas voltas pelas lojinhas da rua, comprei outros queijos, aspargos e pimenta rosa.

    De lá, fomos a pé pro mercado municipal, tirando fotos de fachadas de prédios abandonados, lindos!

    Prédios abandonados da região.

    Também pegamos emprestado uma peruca de um vendedor na rua, hahaha

    Chegando lá, você praticamente mata a fome só de andar pelos corredores, experimentando tudo que os vendedores te dão.


    Coisa mais linda o colorido dos estandes!
    Andamos um bocado conhecendo os estandes, até cansar, aí fomos pro segundo andar comer o famoso pastel de bacalhau e tomar um chopp. Logo que você pisa lá em cima, você até se assusta com a quantidade imensa de mesas e cadeiras, e de gente!!!
    Achamos uma mesa e demos inicio a maratona que foi, passamos por praticamente todos os bares de lá, experimentando alguma coisa em cada um, tinhas uns que o chopp era melhor, o pastel nem tanto, outros que a comida era ótima, mas o chopp, nada de mais, e horas se passaram e muita conversa e muita risada!




    Quando saímos de lá, ainda deu pra passar na casa de uma amiga onde estava tendo um churrasquinho...mas a essa altura, eu já estava caindo de sono e não resisti, tirei um cochilo por lá, hahahah
    Sei que no fim, o dia foi ótimo, e eu recomendo o programa pra qualquer um!

    Algumas das minhas compras =]

    9.8.10

    Mini Quiche de cebola pro aniversariante!

    Hoje é aniversário do meu avô. Do meu sobrinho também, mas ele mora no Rio, então não vai participar da comemoração e comer mini quiche = (



    Mas a história é a seguinte, hoje as 8:30 da manhã, eu estava enrolando brigadeiro, hahaha
    Quando terminei, fiquei sem o que fazer e pensei "ah, vou inventar algum salgadinho pra levar pra festa". 
    E assim, foi invenção mesmo, então, até 2 minutos atrás, eu não sabia se a receita ia dar certo, mas deu, e muito! E é por isso que vou contar aqui.


    Eu não sei colocar em medidas o que eu fiz, então vou colocar aproximadamente. Essa massa podre (igual de empada), eu seeempre faço pra qualquer torta, acho gostosa e prática e essa quantidade de massa deu 24 mini quiches.

    Massa:


    1 xic. e meia de chá de farinha de trigo
    120g de manteiga derretida ou amolecida
    1 colher de cha de sal
    1 colher de sopa de creme de leite

    Primeiro você faz tipo uma farofa com a farinha o sal e a manteiga, a principia com um garfo ou 2 facas, depois mexa com as mãos até ficar homogênea e soltar, sem ser grudenta.
    Depois é só colocar dentro das forminhas sem ser muito grossa e fazer pequenos furinhos com um garfo.

    O recheio:

    fiz em duas partes. A primeira foi 1 cebola e 2 dentes de alho picados e refogados na manteiga e por ultimo, sal, pimenta do reino e parmesão ralado.

    Depois fiz um creme que também não podia ser mais fácil: Bata no liquidificador 100 g de ricota mais ou menos, 2 ovos caipira pequenos, umas 3 colheradas de creme de leite, noz moscada, sal, pimenta do reino e parmesão.

    Ai, encha cada forminha com metade de cebola e por cima, o creme.

    Leve ao forno alto por 30 min.




    Assim, eu colocaria mais coisa, por exemplo, amêndoas por cima, ou um queijo brie no meio... mas eu fiz com o que eu tinha aqui em casa e tava bem limitado, haha
    As forminhas, como se vê nas fotos, são aquelas de silicone que podem ir ao forno, fica bem mais fácil de tirar as quiches depois, já que a massa podre é bem quebradiça.


    E parabéns aos aniversariantes!!! 
    Inclusive minha irmã que fez aniversário dia 07 e eu que fiz dia 1º.

    8.8.10

    Sábado a noite sozinha em casa, socoroooooo!



    O que fazer quando o namorado viaja, a mãe dorme fora, os amigos somem e você se depara completamente sozinha na sua casa?
    Poxa, é simples! Em primeiro lugar, você repete o mantra "eu não preciso de companhia pra curtir uma noite", até aceitar isso.
    Depois de se convencer, você coloca aquele filme que você quer ver faz um tempão... ou assiste uma temporada inteira do seu seriado preferido. Faça um balde de pipoca, entupa seu criado-mudo de bala, sorvete, refrigerante e chocolate e coloque na cabeça que hoje é sábado a noite, e não tem problema fugir da dieta!
    Quando seu filme acabar, você escolhe um dos seus CDs preferidos, aquele que te faz cantar alto de olhos fechados, e dançar no meio da sala ou pular em cima da cama.


    Ai, você pode abrir uma cerveja, um vinho, preparar um drink, um suco, enfim, qualquer coisa que você goste.
    Com sua bebida já em mãos, você escolhe seu próximo passo, vai de montar um quebra cabeça à desenhar, escrever, ler um livro, cantar, ou até fazer faxina (tem gente que curte né? haha)



    Passado um certo tempo, se você estiver com fome, vá para a cozinha e arrisque um novo prato, tente uma receita que você nunca fez mas sempre quis experimentar. Se sua geladeira não está abastecida, faça uma listinha com o que você tem, entre na internet e pesquise o que é possível fazer com seus ingredientes, google esta aí pra isso neh? hahah

    Se sua receita for uma que vai ao forno e demora pra ficar pronta, você aproveita o tempo livre, e toma um banho incrível, se possível, de banheira, com direito a sais de banho e esfoliante, aproveite pra fazer Aquele banho de creme no cabelo, e principalmente relaxar Muito! (cuidado pra não deixar sua receita queimar, haha).

    De banho tomado, provavelmente sua comida já está pronta, então, mate a fome, mas não se esqueça de  fazer um prato bem bonito, não importa se você está sozinha, não é por isso que você vai comer sua deliciosa receita direto da panela...poxa, perca uns minutinhos colocando a mesa com sua toalha e prato mais bonitos, acenda umas velas, se sinta bonita e digna de um banquete!
    Depois de jantar, sinta-se livre para deixar a pilha de louça pra amanha, hoje você concordou que iria aproveitar a noite, e lavar louça não faz parte!


    Improvise uma sobremesa, se não tem nada pronto, invente! Veja as frutas que você tem, garimpe os armários atrás de creme de leite, leite condensado, chocolate em pó, geleia, pêssegos em calda, manteiga de amendoim, qualquer doce, e provavelmente você vai encontrar alguma coisa que se misture e que resulte numa bela sobremesa.

    E pronto, não tem como dizer que você não aproveitou seu sábado! E quando alguém perguntar "o que você fez no sábado?", você já pode dizer que passou a noite com a melhor companhia possível, você mesma!